Dep. comercial (11) 97398-0237 Atendimento

Doença de New Castle

Conhecendo e aprendendo sobre a doença ,tratamento e prevenção.

É uma virose de difusão rápida, que afeta o trato respiratório, digestivo e nervoso, com grande variação nos sinais clínicos, dependendo da cepa viral mais ou menos patogênica. Em casos graves, chamada de peste aviária ou pneumoencefalite das aves. O vírus da doença de Newcastle pode infectar o homem, causando severa conjuntivite e sinais clínicos de gripe que duram entre 2 a 3 dias.

Na medula óssea e em músculos congelados, a sobrevivência do vírus varia de 6 meses a dois anos. Na pele mantida a 5°C de 60 a 134 dias; 4 semanas em carcaças a 40°C e umidade relativa de 20-30%. Sobrevive ao cozimento a 80°C; na penugem a 37°C por 87 dias; na superfície dos ovos 126 dias e nos aviários por 253 dias. O vírus é classificado conforme sua patogenicidade.

 

Transmissão da doença de uma ave para outra.

O vírus é transmitido através de contato por produtos contaminados ou por aerossóis de aves infectadas. As aves com sinais respiratórios excretam o vírus em aerossóis que são inalados por aves suscetíveis. Como o vírus também se replica no intestino, pode ser disseminado pela ingestão de alimentos e água contendo fezes contaminadas de roedores, insetos, artrópodes e aves silvestres (entre eles psitacídeos que eliminam o vírus por cerca de um ano sem apresentar o quadro clínico da doença) podem transmitir a doença. Além disso, comida, água, utensílios, roupas, entre outros, podem atuar como veículos na transmissão e disseminação do agente.

A galinha é a espécie doméstica mais suscetível, as aves aquáticas são consideradas as mais resistentes e os psitacídeos infectados (carreadores). O período de incubação varia de 2 a 15 dias.

 

Identificando os sintomas da doença na ave.

 

 

 

Variam de infecções subclínicas até infecções fatais, com 100% de mortalidade. Causam incoordenação motora, opistótono (cabeça e membros inferiores curvados para trás), torcicolo, diarreia profusa e dificuldade respiratória em diferentes graus.

Também provocam alterações na produção de ovos com queda importante da postura, ovos sem casca, com casca mole ou rugosa, com retorno demorado à produção normal de ovos, além de sequelas nervosas como: espasmos e tremores musculares, diarreia aquosa esverdeada e tecidos inchados ao redor dos olhos.

 

 Medidas a Serem Tomadas par evitar a doença novamente.

Através de medidas sanitárias pode-se evitar a introdução do vírus no plantel. e a vacinação da ave.

O controle é realizado pela imposição da restrição de pessoas, aves e seus produtos por Médico Veterinário Oficial na propriedade, que também estabelece por ato oficial, Zona de Proteção com raio mínimo de 3Km e Zona de Vigilância com raio mínimo de 10 Km do foco de incidência.

 

Sugestões de tratamento para a ave doente:

    1º Isolar fisicamente as aves doentes das demais aves saudáveis em local, baia ou gaiola específico para tratar aves doentes, com bebedouro e comedouro apenas para as doentes e ficar de olho nas outras aves saudáveis que estavam com ela, se alguma adoecer levar para a baia de quarentena.

2º Identificar os sintomas, para a partir dos sintomas podermos identificar a doença ou possíveis doenças associadas.

3º Após a identificação da doença partimos para o tratamento com medicação adequada para cada caso

 4º Medicamentos sugeridos de acordo com a bula:

 

 

Mais vistos